Resenha - CREMINHO DA HORA (Plancton)

Hey mores, tudo bom? A resenha hoje é do "Creminho da hora" da Plancton.
Ele é lançamento e conheci lá na Hairnor, recebi umas amostras e não podia deixar de testar e trazer pra vocês a resenha dizendo tudo que achei. Bom, vamos começar pela embalagem( o potinho é de 250 gramas), ele tem a embalagem bem bonitinha e fofa nas cores amarelo e rosa, e tem uma cara bonita sabe? Me chamou atenção, até mesmo pelas cores, sou dessas que observo muito a cara das coisas, me chamam muito a  atenção, mas não é só a embalagem que tem que ser bonita como o produto tem que ser bom também.
Tem um cheiro gostoso e docinho e um textura pastosa meio efeito teia, sabe?? Ultimamente muitas máscaras estão usando esse efeito. O que achei após aplicar ela nos fios? Então gente, depois de aplicar deixei uns minutinhos e enxaguei, no enxague você já consegue perceber a diferença ao tocar no cabelo, da pra perceber que a textura dele já muda e fica macio e como se tivesse uma coisa envolvendo ele, não sei explicar bem.
  Deixei ele secar naturalmente, não usei secador nem nada do tipo, senti o cabelo mais brilhoso e com maciez. O resultado foi bom e a máscara está aprovada. Superou minhas expectativas e achei super legal porque com pouquíssimo tempo posso ficar com meus cabelinhos brilhosos e macios, sem ter que passar 20/30 minutos com a hidratação, em apenas 3 minutos já deixa os fios com um aspecto mais bonito e saudável.
"Super eficaz que age suavizando dos fios, deixando os fios super sedosos, macios e com brilho. O creminho da Hora possui fórmula concentrada com óleo de maracujá e óleo de manga, ricos em vitaminas C,A e Complexo B, além de possuir sais minerais recuperando os fios agredidos pela química realizando uma hidratação profunda nos fios." 
Deixem ai nos comentários a sua experiência quando usou o produto, irei amar saber <3 


Postagens mais visitadas deste blog

THE GRAND CRU - SHAMPOO QUE ALISA O CABELO !

DIY / Dica Econômica - Quadros Retrô ( Decoração de Parede )

LOOK - PEGUEI A PRIMEIRA ROUPA QUE VI